CC BY-NC-ND 4.0 · Arquivos Brasileiros de Neurocirurgia: Brazilian Neurosurgery 2018; 37(03): 242-246
DOI: 10.1055/s-0035-1564887
Case Report | Relato de Caso
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Tratamento cirúrgico de angiomas cavernosos na região da glândula pineal – relato de caso

Article in several languages: English | português
Joseph Franklin Chenisz
1  Medical Student, Universidade Positivo, Curitiba, PR, Brazil
,
Douglas Shun Yokoi
1  Medical Student, Universidade Positivo, Curitiba, PR, Brazil
,
Francine Fudalli
1  Medical Student, Universidade Positivo, Curitiba, PR, Brazil
,
Larissa Luvison
2  Pathologist, Centro de Citologia e Patologia Paraná (Citopar), Curitiba, PR, Brazil
,
Carlos Alberto Mattozo
3  Neurosurgery, Hospital Universitário Cajuru, Curitiba, PR, Brazil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

24 July 2015

31 August 2015

Publication Date:
02 October 2015 (online)

  

Resumo

Angioma cavernoso é uma malformação vascular cujo acometimento da região da glândula pineal tem uma probabilidade de ocorrência menor que 1%. Sua etiologia é discutível; entretanto, acredita-se derivar de uma herança autossômica dominante ou de tratamento radioterápico. A ressecção total do angioma permite a cura e evita complicações da evolução natural, principalmente a hemorragia. Paciente do sexo feminino, 67 anos de idade, apresentou quadro de confusão mental e déficit de acuidade visual evoluindo com períodos de agitação psicomotora. A ressonância magnética de crânio, após injeção de contraste, mostrou lesão expansiva lobulada na região da glândula pineal com hipersinal em T1 hipossinal em SWI. Constatou-se hidrocefalia associada, e então a paciente foi submetida à microcirurgia com acesso supracerebelar/supratentorial para remoção completa da lesão. Na sequência, o exame anatomopatológico revelou malformação arteriovenosa, compatível com angioma cavernoso. O angioma cavernoso na glândula pineal, portanto, é uma malformação rara que deve ser considerada no diagnóstico diferencial das lesões expansivas da região da glândula pineal.