CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(01): 037-044
DOI: 10.1016/j.rbo.2017.09.004
Original Article | Artigo Original
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Função e qualidade de vida de pacientes com fratura do planalto tibial operados com placa bloqueada ou convencional: estudo comparativo[*]

Article in several languages: português | English
1  Faculdade de Ciências Médica e da Saúde de Juiz de Fora (Suprema), Juiz de Fora, MG, Brasil
,
Thiago Avelino Leite
2  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ), Juiz de Fora, MG, Brasil
,
Tarsis Aparecido Bueno da Silva
1  Faculdade de Ciências Médica e da Saúde de Juiz de Fora (Suprema), Juiz de Fora, MG, Brasil
,
Carlos Otavio Fabiano de Faria Candido
1  Faculdade de Ciências Médica e da Saúde de Juiz de Fora (Suprema), Juiz de Fora, MG, Brasil
,
Felipe Freesz de Almeida
1  Faculdade de Ciências Médica e da Saúde de Juiz de Fora (Suprema), Juiz de Fora, MG, Brasil
,
Valdeci Manoel de Oliveira
1  Faculdade de Ciências Médica e da Saúde de Juiz de Fora (Suprema), Juiz de Fora, MG, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

18 August 2017

19 September 2017

Publication Date:
01 March 2019 (online)

Resumo

Objetivos

Comparar resultados clínicos, funcionais e de qualidade de vida de pacientes com fratura do planalto tibial operados com placa bloqueada ou convencional e comparar os custos hospitalares dos implantes.

Métodos

Estudo comparativo de coortes transversal, retrospectivo, em uma série consecutiva de pacientes com fratura do planalto tibial tratados cirurgicamente entre agosto de 2015 e junho de 2016. Foram excluídos: menores de 18 anos; indivíduos incapazes de responder os questionários ou de comparecer para reavaliação; politraumatizados ou com lesões associadas no mesmo membro; pacientes não tratados com placa ou conservadoramente. Os autores compararam os custos dos implantes, a qualidade de vida (SF-12), o escore de Lysholm, a escala visual de dor e os parâmetros clínicos e radiográficos.

Resultados

Foram observadas 45 fraturas no período, das quais 11 foram excluídas. Dos 34 pacientes, dois não compareceram à entrevista (seguimento de 94%). O tempo de seguimento foi 15,1 ± 4,8 meses. O grupo A (placa bloqueada) incluiu 22 pacientes (69%), com custo hospitalar médio dos implantes de R$ 4.125,39 (dp = R$1.634,79/paciente). O grupo B (placa convencional) incluiu dez pacientes (31%), a um custo médio de R$ 438,53 (dp = R$ 161,8/paciente; p < 0,00001). Para os demais parâmetros avaliados, não foram observadas diferenças significativas entre os grupos, exceto por um maior degrau articular no grupo A (2,7 mm ± 3,3 mm vs. 0,5 mm ± 1,6 mm; p = 0,02; TE = 0,90).

Conclusão

O custo dos implantes bloqueados para o tratamento das fraturas do planalto tibial é significativamente superior aos implantes convencionais, embora não tenham apresentado vantagem clínica, radiográfica, funcional ou de qualidade de vida, nos pacientes dessa amostra.

* Trabalho desenvolvido no Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ), Juiz de Fora, MG, Brasil. Publicado originalmente por Elsevier Editora Ltda. © 2018 Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.