CC BY-NC-ND 4.0 · International Journal of Nutrology 2017; 10(S 01): S306-S312
DOI: 10.1055/s-0040-1705653
ARTIGO ORIGINAL
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

O que podemos fazer para evitar as doenças inflamatórias intestinais? A importância da microbiota

Jane Oba
1  Mestre e doutora em Pediatria pela FM-USP. Gastroenterologista pediátrica do Hospital Israelita Albert Einstein e do Hospital Municipal Menino Jesus - SP. Assistente colaboradora do Ambulatório de Doenças Intestinais do HCFMUSP
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

30 August 2016

30 September 2016

Publication Date:
17 February 2020 (online)

RESUMO

As doenças inflamatórias intestinais (DII) são doenças crônicas, multifatoriais, idiopáticas, caracterizadas pela inflamação crônica recidivante do trato gastrointestinal. As DII abrangem duas principais doenças, a retocolite ulcerativa (RCU) e a Doença de Crohn (DC). A RCU é caracterizada por uma inflamação crônica da mucosa, limitada ao cólon, enquanto que a Doença de Crohnpode ocorrer em qualquer local do trato gastrointestinal e é caracterizada por uma inflamação focal, transmural. O curso clínico da RCU e DC é caracterizado por períodos de remissão alternados com exacerbação da doença e manifestações extra intestinais. É a interação mútua entre os fatores ambientais, os fatores imunológicos, os genes e a microbiota, que induz a doença. Todavia a sua etiopatogenia está longe de ser totalmente esclarecida. Nos últimos anos foram publicados vários estudos sobre as alterações da microbiota nesses pacientes demonstrando a importância desse fator. Conhecer os fatores de risco ambientais corrobora para o planejamento internacional na utilização de recursos para a saúde, iniciativas de pesquisa e podem ser um potencial alvo terapêutico, como foi exposto no último ESPGHAN 2016.

ABSTRACT

Inflammatory bowel disease (IBD) are characterized by chronic,recurrent and idiopathic inflammation, which result from an inappropriate immune response in genetically susceptible individuals. Essentially IBD comprises two forms of presentation: ulcerative colitis (UC) and Crohn’s disease (CD). The UCaffects the mucosa of colon and rectum and, classically, has symmetrical distribution, ascendingand continuous. The DC is characterized by a chronic transmural inflammation of the digestivetract, which can affect the mouth to the anus segmentally or sauteed, with frequent involvementof the ileal or ileocecal region. The disease pathogenesis is not fully understood, it appear to be triggered by the mutual interaction of environmental, immune, genes and microbiota. In recent years several studies were published on the changes of microbiota in these patients demonstrating the importance of this factor. The knowledgement of environmental risk factors supports international planning to the use resources for health, scientific researches and may be a potential therapeutic target, as was stated in the last ESPGHAN 2016.