CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2020; 55(03): 360-366
DOI: 10.1055/s-0040-1701289
Artigo Original
Pediátrica
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Avaliação do ângulo de Southwick em duzentos quadris de crianças e adolescentes assintomáticos[*]

Article in several languages: português | English
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital da Restauração Governador Paulo Guerra, Recife, PE, Brasil
,
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Instituto Materno Infantil de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
,
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital da Restauração Governador Paulo Guerra, Recife, PE, Brasil
,
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Instituto Materno Infantil de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
,
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Instituto Materno Infantil de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
,
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Instituto Materno Infantil de Pernambuco, Recife, PE, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

11 October 2018

26 March 2019

Publication Date:
23 March 2020 (online)

Resumo

Objetivos Medir o valor médio do ângulo de Southwick utilizando dois métodos diferentes, manual (1) e digital (2), e estabelecer um valor de normalidade.

Métodos Estudo primariamente descritivo, realizado com 100 crianças e adolescentes. Foram excluídos indivíduos que apresentavam queixa ortopédica nos quadris e/ou joelhos, ou alterações de marcha. Para cada paciente, foi realizada uma radiografia na incidência lateral de Lowenstein, totalizando 100 radiografias e 200 quadris. O ângulo de Southwick foi medido de duas formas pelo mesmo pesquisador: pelo método convencional (1), traçando-se as retas com lápis e medindo o ângulo com o uso de goniômetro e negatoscópio, e por meio do editor de imagem GNU Image Manipulation Program (GIMP; código aberto), versão 2.7.0 (2), no qual foram traçadas as linhas e aferidos os ângulos de ambos os quadris em cada radiografia. Posteriormente, buscou-se avaliar a correlação entre os dois métodos e verificar o ângulo médio de Southwick correlacionando-o categoricamente por gênero, faixa etária e índice de massa corpórea (IMC) em adolescentes e crianças assintomáticos. Todas as radiografias foram autorizadas pelos responsáveis. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética das instituições em que a pesquisa foi realizada.

Resultados A média do ângulo de Southwick obtida pelo método convencional foi de 8,7° (±2,0°), e pelo método digital, foi de 9,9° (±1,8°). O ângulo obtido pelas duas formas teve significância estatística (p < 0,001). A maioria da população estudada (95%) tinha índice de massa corpórea (IMC) > 18,5, e a média dos ângulos esteve dentro do valor previamente estabelecido como normal (∼ 10°).

Conclusão Demonstrou-se, pela primeira vez, utilizando uma amostra substanciosa, um valor normal do ângulo de Southwick medido em indivíduos assintomáticos. Além disso, o editor de imagem mostrou ser um método confiável para mensuração do ângulo de Southwick.

* Trabalho realizado no Hospital da Restauração Governador Paulo Guerra, Recife, PE, Brasil.