CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2020; 55(02): 181-184
DOI: 10.1055/s-0039-3400527
Artigo Original
Coluna
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Quais fatores podem influenciar perdas sanguíneas extensas no tratamento cirúrgico da escoliose neuromuscular?[]

Article in several languages: português | English
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal
,
Alfredo Carvalho
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Centro Hospitalar Cova da Beira, Covilhã, Portugal
,
André Pinho
3  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Centro Hospitalar São João, Porto, Portugal
,
Francisco Serdoura
3  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Centro Hospitalar São João, Porto, Portugal
,
Vitorino Veludo
3  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Centro Hospitalar São João, Porto, Portugal
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

14 June 2018

18 December 2018

Publication Date:
06 April 2020 (online)

Resumo

Objetivo O objetivo do presente estudo é identificar a incidência, os fatores predisponentes e o impacto prognóstico da perda de sangue em pacientes com escoliose neuromuscular submetidos a cirurgia corretiva.

Métodos Estudo de coorte retrospectiva, incluindo pacientes pediátricos com diagnóstico de escoliose neuromuscular submetidos a instrumentação e fusão vertebral posterior em um hospital universitário. As características dos pacientes foram coletadas no sistema de informações do hospital.

Resultados Um total de 39 pacientes foram incluídos no estudo. As perdas sanguíneas intraoperatórias foram de 962 mL, representando uma perda de 35,63% do volume sanguíneo; a perda de sangue foi extensa em 20 casos (> 30%) e apenas 7 pacientes não necessitaram de transfusão. O grupo de pacientes com perda maciça de sangue apresentou idade um pouco maior (13,75 versus 13,53 anos) e menor percentil do índice de massa corporal (IMC) (25 versus 50); para cada diminuição de 0,38 no IMC, as perdas sanguíneas intraoperatórias aumentaram 1% (p < 0,05). A concentração pré-operatória de albumina influenciou o percentual de perda de sangue e, para cada diminuição de 0,4 de albumina, a perda de sangue aumentou 1% (p < 0,05).

Conclusões Os fatores que mais contribuíram para as diferenças na perda sanguínea foram idade, IMC e concentração pré-operatória de albumina. Não houve associação significativa entre ângulo de Cobb, número de níveis de fusão e duração da cirurgia. Podemos concluir que esses pacientes se beneficiariam do controle nutricional pré-operatório.

Estudo conduzido no Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Centro Hospitalar São João, Porto, Portugal.