CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2020; 55(01): 017-026
DOI: 10.1055/s-0039-1700813
Artigo de Revisão
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Associação do polimorfismo IL-6 -174G > C (rs1800795) com escoliose idiopática da adolescência: Evidências de um estudo de caso-controle e metanálise

Article in several languages: português | English
Mohammad Reza Sobhan
1  Department of Orthopedics, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
Masoud Mahdinezhad-Yazdi
1  Department of Orthopedics, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
2  Department of Medical Genetics, School of Medicine, Shiraz University of Medical Sciences, Shiraz, Iran
,
Hossein Ahrar
3  Department of Radiology, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
Kazem Aghili
3  Department of Radiology, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
Hossein Neamatzadeh
4  Department of Medical Genetics, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
5  Mother and Newborn Health Research Center, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

04 September 2018

27 November 2018

Publication Date:
19 December 2019 (online)

Resumo

Estudos epidemiológicos recentes identificaram que o polimorfismo -174G > C (rs1800795) na região promotora do gene interleucina-6 (IL-6) está associado ao risco de desenvolver escoliose idiopática da adolescência (EIA), mas apresentaram resultados inconsistentes e controversos. Assim, realizamos um estudo de caso-controle e metanálise para obter uma estimativa mais precisa da relação entre o polimorfismo IL-6 -174G > C e o risco de desenvolver EIA. Um total de 80 pacientes com EIA e 80 controles saudáveis pareados foram genotipados usando o ensaio de reação em cadeia de polimerase de polimorfismos de comprimento de fragmentos de restrição (RCP-PCFR). Além disso, todos os estudos elegíveis publicados até junho de 2018 foram identificados por meio de uma pesquisa nas bases de dados PubMed, EMBASE, Google Scholar e China National Knowledge Infrastructure (CNKI). Calculamos as razões de probabilidades (RPs) e os intervalos de confiança de 95% (ICs95%) para avaliar a associação. Um total de 10 estudos elegíveis compreendendo 1.695 casos de EIA e 2.097 controles saudáveis foram incluídos na metanálise. Os dados agrupados sugeriram uma associação significativa entre o polimorfismo IL-6 -174G > C e a suscetibilidade a desenvolver EIA que foi demonstrada em quatro modelos genéticos, ou seja, alélico (C versus G; RP = 0,671; IC95%: 0,457–0,985; p = 0,042), heterozigótico (GC versus GG; RP = 0,734; IC95%: 0,554–0,973; p = 0,032), dominante (CC + GC versus GG; RP = 0,660; IC95%: 0,440–0,990; p = 0,044) e recessivo (CC versus CG + GG; RP = 0,506; IC95%: 0,264–0,970; p = 0,040). A análise de estratificação por etnia revelou um aumento do risco de desenvolver EIA em caucasianos, mas não em asiáticos. Esta metanálise, que é inconsistente com relação à metanálise anterior, sugere que o polimorfismo IL-6 -174G > C pode aumentar a suscetibilidade individual para desenvolver EIA, especialmente em caucasianos, e pode servir como um biomarcador para prever a população com alto risco de desenvolver EIA.