CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(05): 572-578
DOI: 10.1055/s-0039-1697016
Artigo Original | Original Article
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Efeitos da vibração mecânica nas junções neuromusculares e tipo de fibra do músculo sóleo de ratas wistar ooforectomizadas[*]

Article in several languages: português | English
Ana Luiza Peretti
1  Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Cascavel, Cascavel, PR, Brasil
,
Camila Mayumi Martin Kakihata
1  Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Cascavel, Cascavel, PR, Brasil
,
Maria Luiza Serradourada Wutzke
1  Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Cascavel, Cascavel, PR, Brasil
,
Márcia Miranda Torrejais
1  Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Cascavel, Cascavel, PR, Brasil
,
Lucinéia de Fátima Chasko Ribeiro
1  Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Cascavel, Cascavel, PR, Brasil
,
1  Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Campus Cascavel, Cascavel, PR, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

22 March 2018

10 July 2018

Publication Date:
23 September 2019 (online)

Resumo

Objetivo Avaliar as junções neuromusculares (JNMs) e o tipo de fibras musculares do músculo sóleo de ratas Wistar ooforectomizadas e submetidas a um protocolo de vibração mecânica.

Métodos Foram utilizadas 36 ratas randomizadas nos grupos pseudo-ooforectomia sem e com tratamento e ooforectomia sem e com tratamento. O tratamento foi realizado com plataforma vibratória, frequência de 60 Hz e duração de 10 minutos, 3 vezes por semana, durante 4 semanas. Ao término do período de intervenção, os animais foram eutanasiados e os músculos sóleos coletados e processados para análise das JNMs e tipo de fibra. Os dados foram analisados quanto à normalidade pelo teste Shapiro-Wilk e análise da variância de 3 vias, utilizando o pós-teste de Tukey quando necessário, tendo sido adotado o nível de significância de 5%.

Resultados Na análise das JNMs, o grupo ooforectomia apresentou área menor que o grupo pseudo-ooforectomia, porém o grupo ooforectomia tratado igualou-se ao grupo pseudo-ooforectomia tratado. Para o maior diâmetro das junções, o grupo ooforectomia também se apresentou diferente dos demais; porém, os animais do grupo ooforectomia tratado foram maiores que o grupo pseudo-ooforectomia tratado. Não houve distinção dos tipos de fibras, com o músculo apresentando fibras do tipo oxidativo.

Conclusão A privação hormonal reduziu a área e o diâmetro das JNMs, com reversão deste processo nos grupos que realizaram o tratamento com plataforma vibratória durante 4 semanas e, ainda, tanto cirurgia quanto tratamento não influenciaram no tipo de fibra do músculo sóleo, composto por fibras oxidativas.

* Trabalho feito na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) - Campus Cascavel, PR, Brasil