CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(06): 697-702
DOI: 10.1055/s-0039-1697015
Artigo Original
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Fixação do enxerto do ligamento cruzado anterior no polo tibial: Análise biomecânica de três métodos[*]

Article in several languages: português | English
Fernando Pessoa Weiss
1  Faculdade Evangélica do Paraná (FEPAR), Curitiba, Paraná, Brasil
,
Felipe Augusto de Aguiar Possoli
2  Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica e Materiais, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba, Paraná, Brasil
,
Isabel Ziesemer Costa
3  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Hospital de Clínicas, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil
,
Paulo César Borges
4  Departamento de Mecânica, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba, Paraná, Brasil
,
5  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, Paraná, Brasil
,
Luiz Fernando Kubrusly
1  Faculdade Evangélica do Paraná (FEPAR), Curitiba, Paraná, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

15 March 2018

28 May 2018

Publication Date:
13 December 2019 (online)

Resumo

Objetivo Análise biomecânica comparativa da resistência da fixação tibial para reconstrução ligamentar com parafuso de interferência, comparada com parafuso do tipo poste com arruela, e com fixação associada entre os métodos (fixação híbrida).

Métodos Foram utilizados 54 corpos de prova (tíbia suína e tendão digital bovino), que foram divididos em 3 grupos com tipos de fixação semelhantes àqueles utilizados na reconstrução do ligamento cruzado anterior: 1) fixação com parafuso de interferência; 2) fixação com parafuso do tipo poste com arruela dentada sobre nó e fios de sutura; e 3) fixação com parafuso do tipo poste com arruela combinada com parafuso de interferência (fixação híbrida). Os testes foram realizados por meio de ensaios biomecânicos de tração tipo pull-out para determinação da rigidez e carga para falha (yield load) do sistema.

Resultados O grupo com fixação híbrida apresentou maior rigidez final (59,10 ± 3,45 N/mm) do que os demais grupos (p < 0,05), e carga superior para falha (581,34 ± 33,48 N) em relação ao grupo com parafuso de interferência (p < 0,05).

Conclusão A fixação híbrida apresentou vantagens biomecânicas com relação ao sistema de fixação do enxerto de flexor digital bovino em tíbia suína durante os ensaios de tração.

* Estudo realizado na Faculdade Evangélica do Paraná (FEPAR), e na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba, PR, Brasil.