CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(06): 673-678
DOI: 10.1055/s-0039-1697014
Artigo Original
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Avaliação da concordância interobservador no diagnóstico de lesões do anel pélvico posterior usando radiografia simples[*]

Article in several languages: português | English
1  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Cristo Redentor - Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
,
Alberto Braun Batista
1  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Cristo Redentor - Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
,
Natália Henz Concatto
2  Serviço de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
,
Ary da Silva Ungaretti Neto
1  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Cristo Redentor - Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
,
Ramiro Zilles Gonçalves
1  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Cristo Redentor - Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

05 March 2018

07 May 2018

Publication Date:
09 October 2019 (online)

Resumo

Objetivo Avaliar a concordância interobservador de radiologista, dois ortopedistas especialistas em quadril com experiência no tratamento de fraturas da pelve e acetábulo, dois ortopedistas gerais, dois residentes de ortopedia, e dois residentes de radiologia no diagnóstico de lesões do anel pélvico posterior usando radiografia simples.

Método Estudo transversal, realizado em setembro de 2017. Foram selecionados retrospectivamente e de modo aleatório exames de 20 pacientes atendidos previamente com lesões traumáticas do anel pélvico posterior. Nove examinadores de diferentes áreas médicas avaliaram as radiografias simples de bacia, que foram comparadas com a tomografia computadorizada, considerada critério confirmatório de diagnóstico. A concordância interobservador foi analisada pelo teste de Kappa (κ), e com intervalos de confiança de 95% (IC95%).

Resultados Foram encontradas pela tomografia computadorizada 28 lesões (23%; IC95%: 16–32%) em todos os casos avaliados. A concordância interobservador entre a radiografia simples e a tomografia computadorizada foi moderada nos médicos com mais experiência: o radiologista (κ  = 0,461; IC95%: 0,270–0,652), os especialistas em quadril 1 e 2 (κ  = 0,534; IC95%: 0,348–0,721; e κ  = 0,431; IC95%: 0,235–0,627, respectivamente), e os ortopedistas gerais 1 e 2 (κ  = 0,497; IC95%: 0,307–0,686; e κ  = 0,449; IC95%: 0,254–0,645, respectivamente). Já com relação aos residentes de ortopedia e radiologia, a concordância interobservador foi considerada fraca. Nos diagnósticos de todos os examinadores, foram encontrados altos valores falso-negativos, principalmente nas fraturas da região posterior do ilíaco e nas fraturas do sacro.

Conclusão Profissionais com mais experiência na área apresentam melhor capacidade de identificação de lesões do anel pélvico posterior por radiografia simples; porém, salienta-se que a radiografia simples de pelve esteve suscetível a avaliações falso-negativas da parte de todos os profissionais estudados.

* Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Cristo Redentor - Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.