CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(05): 503-508
DOI: 10.1055/s-0039-1693742
Artigo Original | Original Article
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Fixação intramedular flexível para fraturas diafisárias dos ossos do antebraço em crianças[*]

Article in several languages: português | English
Balakrishnan M. Acharya
1  Departamento de Ortopedia e Cirurgia do Trauma, Patan Academy of Health Sciences, Patan Hospital, Lalitpur, Nepal
,
1  Departamento de Ortopedia e Cirurgia do Trauma, Patan Academy of Health Sciences, Patan Hospital, Lalitpur, Nepal
,
Abhishek K. Thakur
1  Departamento de Ortopedia e Cirurgia do Trauma, Patan Academy of Health Sciences, Patan Hospital, Lalitpur, Nepal
,
Bidur Gyawali
1  Departamento de Ortopedia e Cirurgia do Trauma, Patan Academy of Health Sciences, Patan Hospital, Lalitpur, Nepal
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

25 December 2018

13 May 2019

Publication Date:
27 August 2019 (online)

Resumo

Objetivos A maioria das fraturas dos ossos do antebraço em crianças é tratada com sucesso de forma conservadora com redução fechada e imobilização gessada. No entanto, alguns pacientes podem necessitar de manipulação adicional da fratura ou intervenção cirúrgica devido a angulações residuais. O presente estudo avalia o resultado clinico e radiológico do tratamento de fraturas com desvio do antebraço em crianças fixadas com haste elástica intramedular de titânio.

Métodos Um total de 31 pacientes com idades entre 7 e 15 anos com fraturas com desvio do antebraço foram submetidos a haste elástica de titânio flexível. Os pacientes foram acompanhados por um período médio de 8,51 meses (variação: 6–12 meses) e avaliados quanto aos resultados funcionais pelos critérios de Price e radiológicos.

Resultados Dos 31 pacientes, 21 foram submetidos a redução fechada e 10 necessitaram de abertura mínima do local da fratura durante a redução. Um total de 29 pacientes tiveram excelentes resultados com arco de movimento normal, e 2 pacientes apresentaram bons resultados. Em todos os pacientes, a consolidação ocorreu em um tempo médio de 7,9 semanas. Cinco pacientes tiveram complicações menores, como irritação da pele sobre a haste proeminente (n = 2), infecção superficial do local de inserção no rádio (n = 2) e recuo da haste ulnar (n = 1), que exigiu remoção precoce.

Conclusão A haste flexível é um método eficiente para tratamento da fratura do antebraço em crianças, permitindo mobilização precoce e retorno às atividades normais dos pacientes, com baixas e tratáveis complicações.

* Trabalho realizado no Departamento de Ortopedia e Cirurgia do Trauma, Patan Academy of Health Sciences, Patan Hospital, Lalitpur, Nepal.