CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2020; 55(03): 323-328
DOI: 10.1055/s-0039-1692711
Artigo Original
Mão
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Avaliação dos efeitos da natação como reabilitação pós-operatória na regeneração nervosa de ratos da linhagem Wistar submetidos a enxerto de nervos autólogos após lesão do nervo ciático[*]

Article in several languages: português | English
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
,
Luis Renato Nakachima
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
,
Marcela Fernandes
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
,
Carlos Henrique Fernandes
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
,
João Baptista Gomes dos Santos
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
,
Sandra Gomes Valente
1  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

13 February 2019

13 May 2019

Publication Date:
25 June 2020 (online)

Resumo

Objetivo Avaliar os efeitos da natação na regeneração nervosa após a lesão do nervo ciático em ratos Wistar.

Métodos Um total de 30 ratos Wistar foram divididos em 3 grupos: grupo Sham + Nat: animais que não foram submetidos à cirurgia de enxerto e foram submetidos à natação (n = 10); grupo Enxerto: animais que foram submetidos à cirurgia de enxerto autólogo de nervo ciático (n = 10); e grupo Enx + Nat: animais submetidos à cirurgia de enxerto autólogo de nervo ciático e à natação (n = 10). Os resultados foram analisados pelo software GraphPad Prism 5.0 (GraphPad Software, San Diego, CA, EUA).

Resultados Na primeira avaliação, todos os valores do índice funcional do ciático (IFC) foram semelhantes (p = 0.609). Após 30 dias do procedimento cirúrgico, foram observadas diferenças entre todas as comparações: Sham + Nat (−34,64 ± 13,89) versus Enxerto (−145,9 ± 26,06), grupos Sham + Nat versus Enx + Nat (−89,40 ± 7,501), grupos Enxerto (−145,9 ± 26,06) versus Enx + Nat (−89,40 ± 7,501). Nas medidas (60 e 90 dias), não houve diferença estatística entre os grupos Enxerto e Enx + Nat, com valores significativamente menores em relação ao grupo controle (p < 0,001). O número de motoneurônios apresentou diferenças nas comparações entre os grupos Sham + Nat e Enxerto (647,1 ± 16,42 versus 563,4 ± 8,07; p < 0,05) e Sham + Nat e Enx + Nat (647,1 ± 16,42 versus 558,8 ± 14,79; p < 0,05), não havendo diferença entre os grupos Enxerto e Enx + Nat.

Conclusão Os animais submetidos ao protocolo de natação após o procedimento de enxerto do nervo ciático não apresentaram diferenças nos valores de IFC e nos números de motoneurônios quando comparados com grupo controle. Portanto, este tipo de protocolo não é eficiente para reabilitação de lesões nervosas periféricas que necessitam de enxerto, sendo necessários novos estudos.

* Trabalho desenvolvido no Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil