CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(03): 357
DOI: 10.1055/s-0039-1692435
Carta ao Editor | Letter to the Editor
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Letter to the Editor Regarding the Article “Asian ethnicity: a risk factor for adhesive capsulitis?”

Article in several languages: português | English
1  Programa de Mestrado e Doutorado em Fisioterapia, Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
,
Shirley Ferreira Campos
2  Laboratório de Reabilitação Sensório-motora, Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, SP, Brasil
,
Bruno de Moraes Prianti
2  Laboratório de Reabilitação Sensório-motora, Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, SP, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

24 March 2019

07 May 2019

Publication Date:
27 June 2019 (online)

Primeiramente, gostaria de agradecer a oportunidade de fazer parte desta discussão cujo objetivo é o crescimento da ciência e o auxílio aos clínicos da área da saúde. Os autores realizaram um estudo transversal com o objetivo primário de avaliar se a etnia asiática é um fator de risco para o desenvolvimento de capsulite adesiva.[1] A conclusão do estudo é que a etnia asiática é um fator de risco independente, com uma razão de chance ajustada de 3,6 (índice de confiança [IC] 95%: 2,0–6,5). Entretanto, o desenho de estudo realizado para se chegar a essa conclusão foi um estudo observacional transversal, sendo assim um desenho de estudo impróprio para responder a esse tipo de pergunta científica.[2] Estudos observacionais transversais são considerados o padrão-ouro para estudos epidemiológicos nos quais o objetivo é encontrar a prevalência pontual de um determinado problema e fazer associação com duas ou mais variáveis; entretanto, não constituem o desenho de estudo ideal para inferir causa e efeito.[3] Estudos prospectivos de coorte constituem um desenho de estudo no qual os pesquisadores selecionam um grupo de indivíduos pela medida dos fatores de risco ou exposições antes que o desfecho ocorra, estabelecendo assim a temporalidade, um fator importante na determinação da causalidade.[3] Esse tipo de estudo é feito em algumas etapas, sendo elas: seleção da amostra, observação de cada grupo ao longo do tempo, e comparação dos grupos expostos ao fator de risco e os não expostos. Suas principais desvantagens são os altos custos devidos à grande quantidade de sujeitos que devem ser incluídos no estudo e o longo acompanhamento.[3] [4] Baseado nisso, a inferência dos autores quanto à razão de chance para a etnia asiática e o desenvolvimento da capsulite adesiva pode ser uma medida supervalorizada quanto ao método do estudo e o método estatístico utilizado. A razão de chance, ou odds ratio, é uma medida estatística utilizada em estudos longitudinais de coorte, nos quais é possível comparar a incidência do grupo exposto com a incidência do grupo não exposto, daí o nome razão de chance. Sendo assim, os pesquisadores deveriam acompanhar os casos (asiáticos) e os controles (não asiáticos) ao longo do tempo e, assim, poder chegar a um possível fator de risco.[4]