CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(03): 309-315
DOI: 10.1055/s-0039-1692433
Artigo Original | Original Article
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Atuação do médico cirurgião de mão em microcirurgia no Brasil[]

Article in several languages: português | English
1  Serviço de Cirurgia de Mão e Microcirurgia, Hospital do Servidor Público Municipal, São Paulo, SP, Brasil
,
Carlos Henrique Fernandes
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Escola Paulista de Medicina, Instituto de Cirurgia da Mão, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil
,
Marcela Fernandes
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Escola Paulista de Medicina, Instituto de Cirurgia da Mão, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil
,
Joao Baptista Gomes dos Santos
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Escola Paulista de Medicina, Instituto de Cirurgia da Mão, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil
,
Luiz Carlos Angelini
3  Disciplina de Anatomia da Ortopedia, Universidade Metropolitana de Santos, Santos, SP, Brasil
,
Luis Renato Nakachima
2  Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Escola Paulista de Medicina, Instituto de Cirurgia da Mão, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

21 January 2018

02 July 2018

Publication Date:
27 June 2019 (online)

Resumo

Objetivo Avaliar quais as condições que o cirurgião de mão no Brasil tem encontrado na prática clínica para a realização de procedimentos microvasculares.

Métodos Pesquisa clínica primária prospectiva, observacional, transversal e analítica; realizada no 37° Congresso Brasileiro de Cirurgia de Mão, de 30 de março a 1 de abril de 2017, em Belo Horizonte. Por meio de aplicação de questionário a médicos do Congresso, com 12 perguntas, respostas objetivas, fechadas ou de múltipla escolha; envolveram a região geográfica, o tipo de instituição, se pública e/ou privada, seu treinamento microcirúrgico, tempo de formação, condições técnicas, presença de equipe de retaguarda para urgências e remuneração.

Resultados Um total de 143 médicos foram entrevistados, 65,7% atuavam na região sudeste;13,3% na região nordeste; 11,9% na região sul; 6,3% na região centro-oeste; e 2,8% na região norte. Do total de cirurgiões, 43,4%, atuavam há < 5 anos; 16,8% de 5 a 10 anos; 23,8% de 10 a 20 anos; e 23% há > 20 anos. Do total de cirurgiões, 7,0% não tiveram treinamento em cirurgias microvasculares; 63,6% realizaram treinamento na residência médica, 30,8% em outra instituição, e 7,7%, outro país. Do total de cirurgiões, 5,6% trabalhavam em hospitais públicos, 14,7% em hospitais privados, e 76,9% em ambos. Do total de cirurgiões, 1,8% consideravam adequada a remuneração nas instituições públicas e 5,0% nas instituições privadas; 98,2% consideraram inadequadas as remunerações nas instituições públicas e 95,0% nas instituições privadas.

Conclusão A maioria obteve treinamento em microcirurgia, não fazia reimplantes, considerava a remuneração inadequada, e não dispunha de equipe de sobreaviso. Há escassez e má distribuição de cirurgiões de mão com habilidade microcirúrgica nas emergências e baixo valor de reembolso.

Trabalho feito no Instituto de Cirurgia da Mão, Departamento de Ortopedia e Traumatologia, Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil.