CC BY-NC-ND 4.0 · International Journal of Nutrology 2018; 11(03): 071-079
DOI: 10.1055/s-0039-1681015
Review Article | Artigo de Revisão
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Sensibilidade não-celíaca ao glúten

Non-Celiac Gluten Sensitivity
Daniel de Sá Freire Boarim
1  Clinica Lapinha Spa Médico, Lapa, PR, Brazil
› Institutsangaben
Weitere Informationen

Publikationsverlauf

29. August 2018

10. Dezember 2018

Publikationsdatum:
25. März 2019 (online)

Resumo

Entre as reações adversas a alimentos, os distúrbios relacionados ao glúten vêm atualmente ganhando cada vez mais espaço nas publicações científicas e não científicas. Estes distúrbios são divididos em três entidades: doença celíaca (DC), alergia ao trigo (AT) e sensibilidade não-celíaca ao glúten ou ao trigo (SNCG/T), considerando que este cereal vem sendo associado mais frequentemente às manifestações, discutindo-se ainda se não seria o real componente alimentar desencadeante. A DC é uma enteropatia autoimune, enquanto a AT é uma reação de hipersensibilidade, mediada ou não mediada pela imunoglobulina E (IgE). A SNCG/T é uma entidade emergente, de fisiopatologia ainda discutida, que vários pesquisadores propõem como diagnóstico de exclusão em relação à AT e à DC. A SNCG/T vem despertando grande celeuma popular e polêmica nos meios médicos. A presente revisão tem por objetivo abordar a SNCG/T, procurando elencar elementos de distinção dos outros dois distúrbios retrocitados discutindo aspectos como características clínicas, diagnóstico diferencial, fisiopatologia e tratamento. Em muitos trabalhos, salienta-se a possibilidade de sobreposição ou de confusão diagnóstica com outras doenças funcionais gastrointestinais, como síndrome do intestino irritável (SII) e oligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis fermentáveis (FODMAPs, na sigla em inglês). Concluímos que a SNGG/T, embora constitua uma entidade clínica reconhecida por um número expressivo de pesquisadores, ainda é objeto de amplo questionamento quanto à sua caracterização, ao seu diagnóstico e à sua fisiopatologia. Isto posto, considerando sua elevada prevalência estimada e as repercussões populares, indubitavelmente trata-se de assunto digno de estudos mais aprofundados e bem conduzidos.

Abstract

Among adverse food reactions, gluten-related disorders are now gaining more and more space in scientific and non-scientific publications. These disorders are divided into three entities: celiac disease (CD), wheat allergy (WA), and non-celiac sensitivity to gluten or wheat (NCGS), considering that this cereal is associated more frequently with the manifestations, and since it is also discussed whether or not this grain would be the real triggering food component. Celiac disease is an autoimmune enteropathy, whereas WA is a hypersensitive reaction, mediated or not mediated by immunoglobulin E (IgE). Non-celiac sensitivity to gluten or wheat is an emerging entity of pathophysiology still under discussion, which several researchers propose as a diagnosis of exclusion in relation to CD and WA, and it has aroused great popular excitement and controversy in medical circles. The present review aims to approach NCGS, seeking to distinguish elements of the other two disorders, such as clinical characteristics, differential diagnosis, pathophysiology, and treatment. In many studies, the possibility of overlapping or of diagnostic confusion with other functional gastrointestinal diseases, such as irritable bowel syndrome (IBS) and fermentable oligosaccharides, disaccharides, monosaccharides and polyols (FODMAPs), is highlighted. We conclude that NCGS, although it is a clinical entity recognized by a significant number of researchers, is still widely questioned regarding its characterization, diagnosis and pathophysiology. This, given the high prevalence estimated and the popular repercussions, is undoubtedly a subject worthy of further and well-conducted studies.