CC BY-NC-ND 4.0 · International Journal of Nutrology 2018; 11(03): 094-101
DOI: 10.1055/s-0039-1678704
Original Article | Artigo Original
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Acidose metabólica e o estado nutricional de pacientes em hemodiálise

Metabolic Acidosis and Nutritional Status in Hemodialysis Patients
Renata Silva Machado
1  Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
,
Isabel Cristina Gomes
2  Departamento de Estatística, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
,
Camila Andreata Marçal de Faria
3  Departamento de Hemodiálise, Hospital Nossa Senhora das Graças, Sete Lagoas, MG, Brasil
,
Marina Sad Navarro
4  Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
,
Bárbara Rodrigues de Castro
4  Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
,
Luiza Ballesteros Machado
4  Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
,
Maria do Carmo Friche Passos
1  Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
,
Alessandra Maciel Almeida
1  Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

11 August 2018

10 December 2018

Publication Date:
25 March 2019 (online)

Resumo

Introdução A prevalência de desnutrição em hemodiálise (HD) é elevada, sendo um marcador de mau prognóstico na doença renal crônica. A acidose metabólica é frequente na diálise e tem sido associada com mortalidade.

Objetivos Avaliar a acidose metabólica e o estado nutricional dos pacientes em HD.

Métodos Estudo transversal realizado em um único centro de HD. Coletou-se informações em prontuários e verificou-se a presença de acidose metabólica e o estado nutricional por indicadores antropométricos e bioquímicos.

Resultados A amostra total de 63 pacientes, 54% do sexo masculino e 46% do sexo feminino, com 58,7% entre 45 e 64 anos. O tempo médio de diálise foi de 5,4 anos. O valor médio do índice de massa corporal (IMC) foi 24,9kg/m2, e o de albumina foi de 3,9g/dL. A prevalência de acidose metabólica foi de 77,8%. Foi observada uma correlação linear negativa entre bicarbonato e creatinina, sem correlação com indicadores antropométricos e albumina. Pacientes desnutridos pelo IMC corresponderam a 55,5% do total e ganharam mais peso interdialítico. Do total de pacientes, 14,2% foram classificados como desnutridos pelo índice de circunferência muscular do braço (CMB), e albumina < 4,0 g/dL foi observada em 49,2%. A creatinina sérica foi maior em pacientes com idades entre 45 e 64 anos e de sexo masculino. Não foi observada diferença por tempo em HD em relação à idade, ao ganho de peso interdialítico, ou às medidas laboratoriais e antropométricas.

Conclusão A prevalência de acidose metabólica foi elevada, e não houve correlação com o estado nutricional. Níveis de bicarbonato < 22 mEq/L correlacionaram-se com valores maiores de creatinina, sem relação com o estado nutricional. A avaliação nutricional pelo IMC esteve de acordo com o observado na literatura brasileira, e a albumina apontou desnutrição elevada.

Abstract

Introduction The prevalence of malnutrition in hemodialysis (HD) is high, being a marker of poor prognosis in chronic kidney disease. Metabolic acidosis is common on dialysis, and has been associated with mortality.

Objectives To evaluate metabolic acidosis and the nutritional status of HD patients.

Methods A cross-sectional study was carried out in a single HD center. Data were collected from medical records, and the presence of metabolic acidosis and the nutritional status of the patients were verified by anthropometric and biochemical indicators.

Results The total sample of 63 patients, 54% male and 46% female, with 58.7% between 45 and 64 years. The mean dialysis time was of 5.4 years. The mean value of the body mass index (BMI) was 24.9kg/m2, and the mean value of albumin was 3.9g/dL. The prevalence of metabolic acidosis was of 77.8%. There was a negative linear correlation between bicarbonate and creatinine, without correlation with anthropometric and albumin indicators. Patients malnourished according to the BMI corresponded to 55.5% of the total sample and gained more interdialytic weight. Out of the total sample, 14.2% of the patients were classified as malnourished by the arm circumference index, and albumin < 4.0 g/dL was observed in 49.2% of the patients. Serum creatinine was higher in male patients aged between 45 and 64 years old. No difference in time on hemodialysis was observed regarding age, interdialytic weight gain, laboratory, and anthropometric measures.

Conclusion The prevalence of metabolic acidosis was high, and there was no correlation with the nutritional status. Bicarbonate < 22 mEq/L was correlated with higher creatinine values, but was unrelated to the nutritional status. The nutritional assessment by BMI was in agreement with the Brazilian literature, and albumin indicated elevated malnutrition.