CC BY-NC-ND 4.0 · Arquivos Brasileiros de Neurocirurgia: Brazilian Neurosurgery 2003; 22(03/04): 56-62
DOI: 10.1055/s-0038-1625099
Artigos Originais
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Efeitos do tratamento in vitro do álcool perílico em linhagens de glioblastomas humanos: Estudo experimental

Effects of perillyl alcohol on proliferation, cell morphology and protein synthesis of human glioblastoma cell cultures
Clovis Orlando da Fonseca
,
Thereza Quírico dos Santos
,
Maria da Glória da Costa Carvalho
Weitere Informationen

Publikationsverlauf

Publikationsdatum:
11. Januar 2018 (online)

Resumo

Álcool perílico (AP) é um monoterpeno com efetiva ação quimioterapêutica em tumores pancreáticos, mamários e hepáticos induzidos em animais. O AP induz apoptose e promove diferenciação em células tumorais, sem afetar células normais. O AP vem sendo testado nas fases I e II de ensaios clínicos em pacientes portadores de neoplasias recidivantes.

Analisamos os efeitos do AP em proliferação, alterações morfológicas e síntese de proteínas de linhagens humanas de glioblastomas.

Abstract

The monoterpene perillyl alcohol (POH) is an effective chemotherapeutic agent for pancreatic, breast and liver cancer induced in animals. POH is active in inducing apoptosis in tumor cells without affecting normal cells and can revert cells back to a differential state. There are studies in Phase I and Phase II of POH in patients with advanced and refractory malignancies.

The purpose of this study is to evaluate the effects of POH on proliferation, changes on cell morphology and synthesis of proteins, of human cultures glioblastoma cell lines.

*Professor Adjunto, Serviço de Neurocirurgia, Hospital Universitário Antônio Pedro, Departamento de Cirurgia Geral e Especializada, Faculdade de Medicina, Centro de Ciências Médicas, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.


**Professora Titular, Departamento de Biologia Celular e Molecular, Instituto de Biologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.


***Professora Adjunta, Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, Laboratório de Controle da Expressão Gênica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Centro de Ciências da Saúde.