CC BY-NC-ND 4.0 · Arquivos Brasileiros de Neurocirurgia: Brazilian Neurosurgery 2000; 19(01): 14-21
DOI: 10.1055/s-0038-1623256
Artigos Originais
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Opções terapêuticas nos adenomas hipofisários gigantes e invasivos: Experiência com 44 pacientes

Sugical treatment of giant pituitary adenomas
José Carlos Lynch
,
Celestino Esteves Pereira
,
Reddy Simon Nunes
,
Alexandre de Castro do Amaral
Weitere Informationen

Publikationsverlauf

Publikationsdatum:
11. Januar 2018 (online)

Resumo

Entre 1986 e 1998, 44 pacientes com adenomas hipofisários gigantes foram tratados em nossa instituição. Adenomas não-funcionantes ocorreram em 63,6% dos casos e os adenomas secretantes em 36,4%. Diminuição significativa da acuidade visual foi encontrada em 79,5% dos pacientes e 20 olhos estavam cegos. Foram realizadas 48 operações nesses doentes. Vinte e oito pacientes foram operados por uma via transcraniana: em 19 casos, a via pterional foi a escolhida; em 6 casos, optamos pela via orbitozigomática e, em 3, a via subfrontal. A via transesfenoidal foi utilizada em 20 casos. Foi possível a remoção total em 26 (59,0%) casos, subtotal em 18 (40,9%). A mortalidade, nessa série, foi de 9% e, a morbidade, de 47,7%.

Adenomas hipofisários gigantes e invasivos são lesões de cura extremamente difícil. No entanto, muitos desses tumores podem ser totalmente removidos por microcirurgia com abordagens pela base do crânio com morbidade e mortalidade aceitáveis e sobrevida a longo prazo.

Abstract

Between 1986 and 1998, 44 patients with giant pituitary adenomas were surgically treated in our institution. Nonfunctioning adenomas were found in 63,6% of the cases and secreting adenomas in 36,4%. Thirty-five patients presented significant visual impairment and 20 eyes were blind. Fortyeight operations were performed in this series. Twenty-eight patients were operated by a transcranial operation: pterional approach in 19 cases, the orbito-zigomatic in 6 and the subfrontal in 3. Transsphenoidal approach was performed in 20 patients. Total removal of the adenoma was achieved in 26 (59%) cases. The mortality rate in this series was 9%. Morbidity, which included diabets insipidus, CSF fistula, meningitis, pneumocephalus, hydrocephalus and hematoma, occured in 47.7%

Giant and invasive pituitary adenomas are extremely difficult lesions to cure, but most of these tumors can be radically removed through skull base approaches with a reasonable mortality and morbity and long term survival.