CC-BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ginecol Obstet 2018; 40(01): 026-031
DOI: 10.1055/s-0037-1618573
Original Article
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Therapeutic Assessment of Vulvar Squamous Intraepithelial Lesions with CO2 Laser Vaporization in Immunosuppressed Patients

Avaliação terapêutica das lesões intraepiteliais escamosas da vulva com vaporização a laser CO2 em pacientes com imunossupressão
Julisa Chamorro Lascasas Ribalta
Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brazil
,
Mariana Vendramin Mateussi
Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brazil
,
Neila Maria de Góis Speck
Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brazil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

27 July 2017

30 November 2017

Publication Date:
16 January 2018 (online)

Abstract

Objective A vulvar squamous intraepithelial lesion is deemed to be a preceding lesion to vulvar cancer, especially in women aged under 40 years, holders of an acquired or idiopathic immunosuppression. Several treatments have been used to treat these lesions. One of the aesthetically acceptable therapeutic methods is the CO2 laser vaporization.

Methods In a transversal study, 46 records of immunosuppressed women bearing a vulvar low grade and/or high grade squamous intraepithelial lesion were selected out of the retrospective analysis, computing age, date of record, date of vulvar lesion treatment with CO2 laser, the time elapsed between the first and the last visit (in months), the number of visits, the presence or absence of condylomatous lesions in other female lower genital tract sites and whether or not recurrences and persistence of intraepithelial lesions have been noticed during the follow-up.

Results Patients bearing vulvar high-grade squamous intraepithelial lesion and immunosuppressed (serum positive for human immunodeficiency virus [HIV] or with solid organs transplantation) have shown a higher level of persistence of lesions and a higher chance of having other areas of the female lower genital tract involved.

Conclusion While the CO2 laser vaporization is the most conservative method for the treatment of vulvar high-grade intraepithelial lesions, it is far from being the ideal method, due to the intrinsic infection features considered. The possibility of persistence, recurrences and spontaneous limited regression indicates that a closer surveillance in the long-term treated cases should be considered, in special for immunosuppressed patients.

Resumo

Objetivo A lesão intraepitelial escamosa da vulva é considerada uma lesão precursora do câncer vulvar, em especial em mulheres com idade inferior a 40 anos, portadoras de imunossupressão adquirida ou idiopática. Vários tratamentos têm sido utilizados para tratar esse tipo de lesão. Um dos métodos terapêuticos esteticamente aceitáveis é a vaporização a laser CO2.

Métodos Em um estudo transversal, foram selecionados da análise retrospectiva de prontuários arquivados no setor de patologia do trato genital inferior 46 prontuários de mulheres com imunossupressão e portadoras de lesão intraepitelial escamosa de baixo grau e/ou alto grau computando-se: idade, data de registro, data do tratamento da lesão vulvar com laser CO2, tempo entre a primeira e a última consulta (em meses), número de consultas, presença ou ausência de lesões condilomatosas em outros locais do aparelho reprodutor feminino e a ocorrência ou não de recidivas e persistência de lesões intraepiteliais durante o período de acompanhamento.

Resultados Pacientes com lesão intraepitelial de alto grau vulvar e imunocomprometidas (soropositivas para HIV ou com transplante de órgãos sólidos) mostraram maior índice de persistência das lesões e maior chance de ter outras áreas do órgão genital feminino comprometidas.

Conclusão Embora a vaporização a laser CO2 seja o método mais conservador para o tratamento das lesões intraepiteliais vulvares de alto grau, está longe de ser o método ideal pelas características intrínsecas da afecção em foco. A possibilidade de persistência, recidivas e regressão espontânea limitada recomenda maior vigilância para os casos tratados a longo prazo, em especial para as pacientes com imunossupressão.

Contributors

Ribalta J. C. L., Mateussi M. V. and Speck N. M. G. contributed with the project and interpretation of data, writing of the article, critical review of the intellectual content and final approval of the version to be published.