CC BY-NC-ND-license · Rev Iberoam Cir Mano 2010; 38(01): 025-030
DOI: 10.1055/s-0037-1606764
Original Article | Artículo Original
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Cirurgia paliativa do ombro em paralisia obstétrica do plexo braquial

Palliative surgery of the shoulder in obstetric brachial palsy
C. Santos
1  Interno Complementar Serviço de Ortopedia. Hospital de Santo António – Centro Hospitalar do Porto. Portugal
,
A. Pereira
1  Interno Complementar Serviço de Ortopedia. Hospital de Santo António – Centro Hospitalar do Porto. Portugal
,
R. Rodrigues Pinto
1  Interno Complementar Serviço de Ortopedia. Hospital de Santo António – Centro Hospitalar do Porto. Portugal
,
M. Trigueiros
2  Assistente Hospitalar Serviço de Ortopedia. Hospital de Santo António – Centro Hospitalar do Porto. Portugal
,
R. Lemos
3  Assistente Graduado Serviço de Ortopedia. Hospital de Santo António – Centro Hospitalar do Porto. Portugal
,
C. Silva
3  Assistente Graduado Serviço de Ortopedia. Hospital de Santo António – Centro Hospitalar do Porto. Portugal
› Institutsangaben
Weitere Informationen

Publikationsverlauf

Publikationsdatum:
13.September 2017 (online)

A paralisia obstétrica do plexo braquial é rara originando disfunção grave e défice marcado da rotação externa e da abdução do ombro. Reviram-se retrospectivamente 11 casos de paralisia obstétrica do plexo braquial (sete com paralisia alta e quatro com paralisia completa) tratados cirurgicamente pela técnica de L’Épiscopo modificada por Hoffer. Estes resultados foram padronizados segundo o tipo de lesão (grupo A – lesão alta; grupo B – lesão completa) e a idade (grupo I ≤ 4 anos; grupo II > 4 anos). O seguimento médio foi de 35 meses. A idade média aquando da cirurgia era de 6,5 anos (r= 2–11). Todos, excepto um, apresentaram melhoria funcional, com aumento da pontuação média de Mallet de 4,6 pontos. Os dois subtipos de paralisia tiveram pontuação média de Mallet sobreponível (grupo A – 4.6; grupo B – 4.7); a idade aquando da cirurgia não influenciou o resultado clínico (pontuação média (grupo I) – 4.8; (grupo II) – 4.4). Não foram registadas complicações. A técnica de L’Épiscopo modificada por Hoffer é eficaz no tratamento paliativo do ombro em paralisia obstétrica do plexo braquial, permitindo recuperação da abdução e rotação externa do ombro. Está indicada em paralisias altas e completas, quando associada a outras cirurgias de recuperação da função do cotovelo, punho e/ou mão. Idade superior a 4 anos não contra-indica a cirurgia desde que sejam excluídas alterações da articulação glenoumeral.

The obstetric brachial plexus palsy is a rare disorder causing severe deficit and limited external rotation and abduction. 11 cases of obstetric brachial plexus palsy were retrospectively reviewed (seven with high paralysis and four with complete paralysis) and surgically treated by the technique of L’episcope modified by Hoffer. These results were stratified according to the type of lesion (group A – high injury, group B – complete injury) and age (group I ≤ 4 years, group II> 4 years). The mean follow–up was 35 months. The mean age at the time of surgery was 6.5 years (r= 2–11). All but one showed functional improvement, with increased mean Mallet score of 4.6 points. The two subtypes of paralysis had similar mean Mallet score (group A – 4.6; group B – 4.7); the age at the time of surgery did not influence the clinical outcome (average score (Group I) – 4.8, (Group II) – 4.4). No complications were recorded. The technique L’episcope modified by Hoffer is effective in the palliative treatment of the shoulder in obstetric brachial plexus palsy, allowing recovery of abduction and external rotation of the shoulder. It seems to be indicated for high and complete paralysis, when combined with other surgeries to recover the function of the elbow, wrist and / or hand. Being older than 4 years old is not a contraindication for this surgery provided that changes of the glenohumeral joint are excluded.