CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ginecol Obstet 2017; 39(05): 235-248
DOI: 10.1055/s-0037-1603450
Systematic Review
Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Zika Virus Infection in Pregnant Women and Microcephaly[*]

Infecção do vírus Zika em gestantes e microcefalia*
Geraldo Duarte
1  Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brazil
,
Antonio Fernandes Moron
2  Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brazil
,
Artur Timerman
3  Hospital Professor Edmundo Vasconcelos, São Paulo, SP, Brazil
,
César Eduardo Fernandes
4  Faculdade de Medicina do ABC, Santo André, SP, Brazil
,
Corintio Mariani Neto
5  Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, São Paulo, SP, Brazil
,
Gutemberg Leão de Almeida Filho
6  Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brazil
,
Heron Werner Junior
7  Alta Excelência Diagnóstica, Rio de Janeiro, RJ, Brazil
,
Hilka Flavia Barra do Espírito Santo
8  Universidade Federal do Amazonas, Manaus, AM, Brazil
,
João Alfredo Piffero Steibel
9  Pontifícia Universidade Católica, Porto Alegre, RS, Brazil
,
João Bortoletti Filho
2  Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brazil
,
Juvenal Barreto Borriello de Andrade
10  Consultório Médico Juvenal Barreto Borriello de Andrade, São Paulo, SP, Brazil
,
Marcelo Burlá
11  Clínica Marcelo Burlá, Rio de Janeiro, RJ Brazil
,
Marcos Felipe Silva de Sá
1  Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brazil
,
Newton Eduardo Busso
12  Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, São Paulo, SP, Brazil
,
Paulo César Giraldo
13  Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brazil
,
Renato Augusto Moreira de Sá
14  Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brazil
,
Renato Passini Junior
13  Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brazil
,
Rosiane Mattar
2  Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP, Brazil
,
Rossana Pulcineli Vieira Francisco
15  Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brazil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

22 January 2017

21 February 2017

Publication Date:
02 June 2017 (online)

  

Abstract

From the discovery of the Zika virus (ZIKV) in 1947 in Uganda (Africa), until its arrival in South America, it was not known that it would affect human reproductive life so severely. Today, damage to the central nervous system is known to be multiple, and microcephaly is considered the tip of the iceberg. Microcephaly actually represents the epilogue of this infection's devastating process on the central nervous system of embryos and fetuses. As a result of central nervous system aggression by the ZIKV, this infection brings the possibility of arthrogryposis, dysphagia, deafness and visual impairment. All of these changes of varying severity directly or indirectly compromise the future life of these children, and are already considered a congenital syndrome linked to the ZIKV. Diagnosis is one of the main difficulties in the approach of this infection. Considering the clinical part, it has manifestations common to infections by the dengue virus and the chikungunya fever, varying only in subjective intensities. The most frequent clinical variables are rash, febrile state, non-purulent conjunctivitis and arthralgia, among others. In terms of laboratory resources, there are also limitations to the subsidiary diagnosis. Molecular biology tests are based on polymerase chain reaction (PCR) with reverse transcriptase (RT) action, since the ZIKV is a ribonucleic acid (RNA) virus. The RT-PCR shows serum or plasma positivity for a short period of time, no more than five days after the onset of the signs and symptoms. The ZIKV urine test is positive for a longer period, up to 14 days. There are still no reliable techniques for the serological diagnosis of this infection. If there are no complications (meningoencephalitis or Guillain-Barré syndrome), further examination is unnecessary to assess systemic impairment. However, evidence is needed to rule out other infections that also cause rashes, such as dengue, chikungunya, syphilis, toxoplasmosis, cytomegalovirus, rubella, and herpes. There is no specific antiviral therapy against ZIKV, and the therapeutic approach to infected pregnant women is limited to the use of antipyretics and analgesics. Anti-inflammatory drugs should be avoided until the diagnosis of dengue is discarded. There is no need to modify the schedule of prenatal visits for pregnant women infected by ZIKV, but it is necessary to guarantee three ultrasound examinations during pregnancy for low-risk pregnancies, and monthly for pregnant women with confirmed ZIKV infection. Vaginal delivery and natural breastfeeding are advised.

Resumo

Desde a descoberta do vírus Zika (VZIK) em 1947 em Uganda, na África, até sua chegada na América do Sul, não se tinha notícia de que ele seria capaz de comprometer a vida reprodutiva em humanos de forma tão severa. Hoje, sabe-se que os danos sobre o sistema nervoso central são múltiplos, e a microcefalia é considerada a ponta do iceberg, visto que na realidade ela representa o epílogo de um processo devastador desta infecção sobre o sistema nervoso central do embrião e do feto. Em decorrência da agressão do sistema nervoso central pelo VZIK, esta infecção pode provocar artrogripose, disfagia, surdez e comprometimento visual. Todas estas alterações, de gravidade variável, direta ou indiretamente comprometem a vida futura dessas crianças, já sendo considerada uma síndrome congênita ligada ao VZIK. Uma das principais dificuldades na abordagem dessa infecção é relativa ao diagnóstico. Considerando a parte clínica, observa-se que ela apresenta manifestações comuns às infecções pelos vírus da dengue e da febre chikungunya, variando apenas em suas intensidades subjetivas. As variáveis clínicas mais frequentes são o exantema, febrícula, conjuntivite não purulenta e artralgia. No tocante aos recursos laboratoriais, também existem limitações ao diagnóstico subsidiário. As provas de biologia molecular se fundamentam na reação em cadeia da polimerase (RCP) com ação da transcriptase reversa (TT), visto que o VZIK é um vírus ácido ribonucleico (ARN). A TR-RCP apresenta positividade sérica ou plasmática por um período curto de tempo, não ultrapassando cinco dias após início dos sinais e sintomas. Esta pesquisa do VZIK na urina fica positiva por período mais prolongado, chegando a 14 dias. Ainda não existem técnicas seguras para diagnóstico sorológico dessa infecção. Não havendo complicações (meningoencefalite ou síndrome de Guillain-Barré), dificilmente são necessários mais exames complementares para avaliar o comprometimento sistêmico. No entanto, são necessárias provas para descartar as outras infecções que causam exantema, como dengue, chikungunya, sífilis, toxoplasmose, citomegalovírus, rubéola e herpes. Sabe-se que não existe terapia antiviral específica contra o VZIK, e a abordagem terapêutica de gestantes portadoras da infecção limita-se ao uso de antitérmicos e analgésicos. Orienta-se evitar anti-inflamatórios até que o diagnóstico de dengue seja descartado. Sobre a condução do pré-natal, não há necessidade de modificar o cronograma de consultas pré-natais para gestantes que foram infectadas pelo VZIK, mas é necessária a garantia de três exames ecográficos durante a gravidez para gestantes de baixo risco, e mensais para a gestante com infecção confirmada pelo VZIK. A via de parto é vaginal, e está liberado o aleitamento natural.

* This review is part of the Series, Guidelines and Recommendations of the Brazilian Federation of Gynecology and Obstetrics Associations - FEBRASGO, and was prepared by the National Provisional Specialized Commission for the Study of Zika Virus, Pregnancy and Microcephaly.