CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2020; 55(01): 008-016
DOI: 10.1016/j.rboe.2018.03.001
Artigo de Revisão
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revinter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Associação dos polimorfismos ESRα XbaI A > G, ESRα PvuII T > C e ESRβ AlwNI T > C com o risco de desenvolver escoliose idiopática da adolescência: Revisão sistemática e metanálise genética[*]

Article in several languages: português | English
Mohammad Reza Sobhan
1  Departamento de Ortopedia, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
Masoud Mahdinezhad-Yazdi*
1  Departamento de Ortopedia, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
2  Departamento de Genética Médica, Faculdade de Medicina, Shiraz University of Medical Sciences, Shiraz, Iran
,
Mohammadali Jafari
3  Departamento de Medicina de Emergência, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
Ali Raee-Ezzabadi
3  Departamento de Medicina de Emergência, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
,
Hossein Neamatzadeh
4  Departamento de Genética Médica, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
5  Centro de Pesquisa em Saúde Materno-Infantil, Shahid Sadoughi University of Medical Sciences, Yazd, Iran
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

30 January 2018

13 March 2018

Publication Date:
09 January 2020 (online)

Resumo

Vários estudos de associação entre os polimorfismos genéticos nos receptores α e β de estrogênio e a escoliose idiopática da adolescência (EIA) foram publicados nas últimas duas décadas. No entanto, a associação com a EIA, especialmente em diferentes subgrupos étnicos, continua a ser controversa. Assim, o presente estudo investigou esses dados inconclusivos por meio de uma metanálise para avaliar sistematicamente essa associação.

Uma pesquisa bibliográfica foi realizada nas bases de dados PubMed, ISI Web of Science, EMBASE, SCOPUS, EBSCO, Cochrane Library, China National Knowledge Infrastructure (CNKI) e Wanfang até 20 de janeiro de 2018. A força de associação foi avaliada por meio de razões de probabilidades (RPs) e intervalos de confiança de 95% (ICs95%).

Um total de 12 estudos de caso-controle, com 4.304 casos de EIA e 3.123 controles, atenderam aos critérios de inclusão do presente estudo. As RPs combinadas indicaram que os polimorfismos ESRα XbaI A > G, ESRα PvuII T > C e ESRβ AlwNI T > C podem não estar significativamente associados ao risco geral de desenvolvimento de EIA. No entanto, observou-se uma associação significativa entre o polimorfismo ESRα XbaI A > G e a EIA sob o modelo homozigótico (GG versus AA; RP = 1,448; IC95%: 1,052–1,993; p = 0,023).

Esta metanálise sugere que os polimorfismos ESRα XbaI A > G, ESRα PvuII T > C e ESRβ AlwNI T > C podem não estar associados ao risco geral de desenvolvimento de EIA. No entanto, ESRα XbaI A > G pode influenciar a suscetibilidade de desenvolver EIA entre indivíduos asiáticos. Considerando o tamanho e a variação étnica limitada da amostra, outros estudos de maior escala são necessários para obter uma estimativa mais precisa das associações.

* Originalmente Publicado por Elsevier Editora Ltda.