CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(04): 434-439
DOI: 10.1016/j.rbo.2018.04.003
Artigo Original | Original Article
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Impacto femoroacetabular – Fatores associados à presença de lesões profundas da junção condrolabral[*]

Article in several languages: português | English
1  Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS, Brasil
,
Vinicius Adelchi Cachoeira
1  Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS, Brasil
,
Gabriel Pozzobon Knop
1  Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS, Brasil
,
Luiz Henrique Penteado Silva
1  Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS, Brasil
,
Tercildo Knop
1  Instituto de Ortopedia e Traumatologia, Hospital São Vicente de Paulo, Passo Fundo, RS, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

24 August 2017

03 April 2018

Publication Date:
20 August 2019 (online)

Resumo

Objetivo Avaliar os fatores associados à presença de lesões condrais profundas (graus III e IV de Konan/Haddad) em pacientes submetidos à artroscopia do quadril para tratamento do impacto femoroacetabular (IFA).

Método Estudo transversal, prospectivo, de uma série de 125 artroscopias consecutivas do quadril feitas entre maio de 2016 e maio de 2017. Depois de aplicados os critérios de exclusão, foram analisados 107 quadris de 92 pacientes submetidos a tratamento cirúrgico do IFA dos tipos misto e CAM. Para fins de análise, os grupos foram divididos entre lesões consideradas leves e profundas, e foi feita associação com escore de sintomas, ângulo de cobertura lateral, ângulo alfa, idade, gênero, e classificação radiológica de artrose. Foram considerados como estatisticamente significativos testes com valor de probabilidade < 0,05.

Resultados Pacientes cujos quadris apresentaram lesões consideradas profundas tiveram escores de quadril não artrítico (NAHSs, na sigla em inglês) significativamente maiores do que aqueles cujos quadris apresentavam lesões consideradas leves ou não apresentavam lesão condrolabral (67,9 ± 19,4 versus 57,0 ± 21,9; p = 0,027). A prevalência de lesões profundas foi maior nos quadris Tonnis 1 do que nos que apresentaram Tonnis 0: 15 (55,6%) versus 10 (12,7%), respectivamente; p < 0,001. Homens apresentaram melhores escores funcionais e maior prevalência de lesões graus III e IV do que as mulheres: 65,6 ± 19,6 versus 49,3 ± 21,6; p < 0,001, e 23 (34,3%) versus 2 (5,0%), p = 0,001, respectivamente.

Conclusão Homens apresentaram maior prevalência de lesões profundas. Quadris Tonnis 1 tiveram um risco 4,4 vezes maior de apresentar essas lesões. Pacientes com lesões condrolabrais profundas apresentaram melhor escore funcional pré-operatório.

* Publicado originalmente por Elsevier Editora Ltda.