CC BY-NC-ND 4.0 · Rev Bras Ortop (Sao Paulo) 2019; 54(05): 556-563
DOI: 10.1016/j.rbo.2017.12.011
Artigo Original | Original Article
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia. Published by Thieme Revnter Publicações Ltda Rio de Janeiro, Brazil

Eficácia do antibiótico profilático intraósseo versus endovenoso em cirurgias do joelho em porcos: Estudo experimental[*]

Article in several languages: português | English
Carlos Augusto de Mattos
1  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital e Maternidade Celso Pierro, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil
,
1  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital e Maternidade Celso Pierro, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil
,
Mariana de Oliveira Cyrino
1  Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital e Maternidade Celso Pierro, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil
,
Laura Credidio
2  Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil
,
Natália Silveira Virgilli
3  Faculdade de Ciências Médicas, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil
,
Joaquim Simões Neto
4  Serviço de Cirurgia de Urgência de Trauma, Hospital e Maternidade Celso Pierro, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil
› Author Affiliations
Further Information

Publication History

29 August 2017

22 December 2017

Publication Date:
29 October 2019 (online)

Resumo

Objetivo Demonstrar, em 36 porcos usados como modelos vivos, que o acesso intraósseo (IO) é mais eficaz em comparação com o acesso endovenoso (EV) na administração de antibiótico profilático em cirurgias na articulação do joelho.

Materiais e Métodos Foram coletadas, analisadas e comparadas amostras de pele, tecido subcutâneo, cartilagem e osso, após administração de antibiótico profilático EV e IO em grupos diferentes.

Resultado A comparação entre os grupos IO e EV indicou que no grupo IO houve maior concentração de antibiótico profilático na pele (p = 0,049), na cartilagem (p = 0,018) e no osso (p = 0,002), na análise das primeiras 24 horas após 30 minutos de infusão.

Conclusão Visto que as complicações dessa prática são raras, o uso dessa via pode ser uma opção para a diminuição do risco de infecção do sítio cirúrgico nas cirurgias ortopédicas, pois leva à diminuição da morbimortalidade e dos gastos hospitalares com reabordagens ou com tempo prolongado de internação. Contudo, são necessários mais pesquisas e novos estudos experimentais em seres humanos, dado que está comprovada a eficácia do método em porcos.

* Trabalho desenvolvido no Hospital da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Publicado Originalmente por Elsevier Editora Ltda.